AOA: Primeiro Programa de Deteção Precoce do Cancro da Mama que integra formalmente a Tomossíntese e a Imagem Sintetizada para a totalidade da sua população.

Na passada terça-feira 12 de julho teve lugar um evento de alta importância onde, pela primeira vez, foi tomada a decisão formal de abranger toda a população-alvo num Programa de Deteção Precoce do Cancro da Mama com tecnologia de Tomossíntese e Imagem Sintetizada, com dupla leitura, e com Sistema de Detecção Automática CAD.

Actualmente, existem vários programas nacionais e internacionais que já contam com algumas unidades a trabalhar desta forma, no entanto é importante destacar que este é o primeiro a adotar a Tomossíntese no seu protocolo universal para toda a população-alvo.

A Associação Oncológica do Algarve (AOA) inaugurou, na cidade de Faro, uma nova Unidade Móvel com um novo Mamógrafo Hologic Dimensions 3D, com Imagem Sintetizada e CAD.

Para além dos responsáveis máximos da Associação Oncológica do Algarve e da ARS Algarve, participou, em representação do Ministério da Saúde, o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Prof. Doutor Fernando Araújo.

Durante a breve introdução do projeto feita pelo Dr. Paulo Morgado (Presidente da ARS Algarve), pela Dra. Filomena Correia (Coordenadora dos Programas de Rastreio da ARS Algarve) e pelo Dr. Francisco Aleixo (Director Clinico e Médico Radiologista da AOA), onde se abordou a evolução do Programa de Rastreio e a grande mais valia de se poder contar com esta nova tecnologia, ficou patente que de pouco serve a deteção de mais lesões sem que se disponham, nos hospitais e centros de referência, de ferramentas similares para tratamento das pacientes.

O Secretário de Estado Adjunto e da Saúde foi ainda mais além no seu discurso, deixando claro que “esta tecnologia de que agora podem usufruir as mulheres do Algarve, deverá estender-se por toda a geografia portuguesa”.